Arábia Saudita

O islã domina a vida em sociedade e todos os sauditas são considerados muçulmanos. Seguir a Jesus significa correr o risco de ser preso, agredido, deportado e, por vezes, torturado
A Arábia Saudita é marcada pelo extremismo islâmico, advindo do wahhabismo(uma interpretação estrita da doutrina muçulmana, dissidente do islamismo sunita). A legislação é baseada na sharia, considerando crime o evangelismo de muçulmanos. Se converter a outra religião é punível com a morte.
Não há edifícios de igrejas e igrejas domésticas são invadidas. Embora o governo reconheça formalmente o direito de os não-muçulmanos adorarem em locais privados, a polícia religiosa (muttawa) muitas vezes não respeita este direito.
A maioria dos cristãos na Arábia Saudita são expatriados ou trabalhadores estrangeiros, mas há um pequeno número de cristãos ex-muçulmanos. Este grupo vive sua fé em completo segredo. A pressão sobre eles é alta em todas as esferas da vida, impedindo-os de praticar abertamente a sua fé.
TVs via satélite e internet estão possibilitando que os sauditas conheçam o evangelho e, de acordo com muitos relatos da igreja local, Deus tem se revelado aos muçulmanos através de sonhos e visões. O número de cristãos convertidos do islamismo e outras religiões está crescendo, juntamente com sua ousadia em compartilhar sua nova fé. O apoio da Portas Abertas acontece em especial através da oração, juntamente com parceiros do mundo todo, à Igreja Perseguida na Arábia Saudita.
“Eu cresci em uma cultura islâmica, mas eu nunca senti a verdadeira paz do islã. Os programas são impactantes e têm me ensinado os princípios do cristianismo, que são o amor e o perdão. Descobri que a mensagem de Jesus também dá a certeza da salvação e vida eterna.” Ahmad, cristão novo convertido que ouviu do evangelho em um canal de TV cristão.





Bandeira: Saudi Arabia
Região: Oriente Médio
Líder: Abdallah bin Abd al-Aziz al Saud
População: 25,7 milhões
Cristãos:*
Religião: Islamismo 
Governo: Monarquia

Última atualização em 13/01/2016
Fonte Portas Abertas

Nenhum comentário:

Postar um comentário