Quênia

O país que mostra que  nem toda maioria vence, tem mais de 80% da população cristã, porém, a minoria  de radicais e extremistas islâmicos está dominando a nação
A perseguição, por meio do extremismo islâmico, contém elementos de limpeza étnica, que é muito complexa e afeta fortemente a política cotidiana. O Quênia é um país com uma maioria cristã (82%), no entanto, a minoria muçulmana se tornou politicamente poderosa em muitos setores do país. Também é importante ressaltar o alto nível de corrupção. O Conselho Republicano de Mombasa, tornou-se mais violento e está ligado a grupos terroristas, como a Al-Shabaab. É o efeito cumulativo desta complexa situação que levou o país a subir três posições na Classificação da Perseguição Religiosa 2016.
Em 2014, pelo menos 200 pessoas morreram e centenas ficaram feridas no Quênia em ataques reivindicados pelo Al-Shabaab. As regiões do Quênia situadas na fronteira com a Somália, e em particular as áreas de Mandera e Wajir, assim como a de Garissa, são cenários frequentes de ataques do grupo. No começo de 2015, o mesmo grupo invadiu uma universidade do Norte do Quênia e atacou estudantes cristãos. Foram 147 mortos e dezenas de feridos.
O nível de perseguição no Quênia continua aumentando e é provável que continue assim. O futuro da igreja no país é preocupante. O nível de medo entre os cristãos cresce de forma rápida. A unidade islâmica é diversificada e forte.

“Vocês planejavam silenciar a Páscoa, mas sua atitude apenas serviu para me lembrar por que eu devo celebrar esta data. Em primeiro lugar, por causa de pessoas como vocês. Vocês são a razão por que Jesus morreu na cruz; foi para dar a vocês a salvação, se realmente se arrependerem de seus atos maus. Eu não os odeio. Eu amo vocês. E perdoo vocês.” Trecho retirado de carta da Ciku Muriuki para o Al-Shabaab.
Bandeira: Kenya
Região: África Oriental
Líder: Uhuru Kenyatta
População: 44,35 milhões
Cristãos: *
Religião: Cristianismo
Governo: República Presidencialista
Última atualização em 13/01/2015
Fonte Portas Abertas

Nenhum comentário:

Postar um comentário