quarta-feira, 23 de março de 2016

A Cruz me Libertou


“O meu sonho continuava. Vi Cristão marchando por uma estrada que, de ambos os lados, era protegida por duas muralhas, chamadas Salvação (Isaías 26.1). É certo que ia caminhando com muita dificuldade, por causa do fardo que levava às costas, mas o seu passo era rápido e seguro; vi-o chegar a um pequeno monte onde se erguia uma cruz, junto à qual, e um pouco mais abaixo, estava uma sepultura. Ao chegar à cruz, soltou-se-lhe o fardo, instantaneamente, de sobre os ombros, e, rolando, foi cair na sepultura, donde não tornará jamais a sair.

Quão aliviado e jubiloso ficou Cristão! Bendito seja Aquele que, com os seus sofrimentos, me deu descanso, e com a sua morte me deu a vida! Exclamou ele, e ficou por alguns momentos como extático, ao ver o grande benefício que a cruz acabava de fazer-lhe; olhava para um e para outro lado, cheio de assombro, até que o seu coração se expandiu em abundantes lágrimas (Zacarias 12.10). Chorava, quando diante dele apareceram três seres resplandecentes, que o saudaram com: a Paz seja contigo! E logo o primeiro dos três lhe disse: “Perdoados te são os teus pecados” (Marcos 2.5). O segundo, despojando-o dos vestidos imundos que trazia, vestiu-lhe um traje de gala (Zacarias 3.4), e o terceiro, pondo-lhe um sinal na fronte (Efésios 1.13), entregou-lhe um diploma selado, sobre o qual deveria pensar pelo caminho, e entregá-lo quando chegasse à Cidade Celestial. Ao ver todas estas coisas, Cristão experimentou imensa alegria, e continuou o seu caminho cantando, pouco mais ou menos, estas palavras:

Oprimido andei sempre sob o peso de meus pecados, sem encontrar lenitivo ao meu
sofrimento, até que cheguei a este lugar. Onde estou eu? Oh! Aqui é por certo o princípio da minha bem-aventurança, visto que aqui se quebraram os laços que me prendiam aos ombros o fardo que me oprimia. Eu te saúdo, ó cruz bendita! Bendito sejas, santo sepulcro!

Bendito seja para sempre Aquele que em ti foi sepultado pelos meus pecados.”
(John Bunyan – O Peregrino – Cap. 6)

Quão maravilhosa é essa explicação de John Bunyan sobre o poder da cruz, não sobre a cruz, mas sim sobre quem nela estava!

Meus queridos irmãos assim somos nós muitas das vezes estamos com um fardo em nossas costas, pode ser o fardo do pecado, da culpa, da religiosidade e ainda assim prosseguindo em nossa jornada do evangelho, e este é o fato de vermos muitos irmãos desanimados, abatidos e muitos desistindo do caminho da fé, tudo porque seus fardos não foram sepultados com Cristo, não olham para Cristo na cruz para que remova suas culpas!

Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus. (Hebreus 12:2)  Todas as vezes que me encontro nesta situação lembro do que Cristo sofreu por mim e olhando para Jesus prossigo, sei que na cruz foi pago o preço mui precioso que não é comparado as coisas deste mundo, mas o precioso sangue de Jesus Cristo. Talvez você esteja nessa situação faça como este cristão descrito por John prossiga para o alvo, olhe para a cruz, pois ela nela foi posto a nossa redenção e pendurado o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. E tenha certeza que quando isso acontecer, esse fardo será removido e alegremente o Senhor te conduzira pelas veredas da justiça.

Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.
Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.
Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve. (
Mateus 11:28-30)

Alma cansada não desanime! Prossiga ate Cristo e ali estará o Autor da vida pronto para te remir e te salvar e como o salmista, e pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no Senhor. (Salmos 40:3) E assim conduza a sua jornada até a eternidade com o Senhor Jesus!


Deus te abençoe. 

/Alef da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário