quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Vida e Obra de John Wesley






John Wesley nasceu em 17 de junho de 1703, em Epworth, Inglaterra, o décimo quinto de dezenove filhos de Charles e Suzanna Wesley. O pai de Wesley era predicador, e a mãe de Wesley era uma manhã notável em quando a sabedoria e inteligência. Era uma mulher de profunda piedade e criou a seus pequenos em estreito contato com as histórias da Bíblia, contando-as já em volta do fogo da habitação das crianças. Também costumava vestir os meninos com suas melhores roupas os dias em que tinham o privilégio de aprender seu alfabeto como introdução à leitura das Sagradas Escrituras.

O jovem Wesley era guapo e varonil, e adorava os jogos e em particular a dança. Em Oxford foi um líder, e durante a última parte de sua estância ali foi um dos fundadores do "Santo Clube", uma organização de estudantes sérios. Sua natureza religiosa se aprofundou com o estudo e a experiência, mas não foi até anos depois de deixar a universidade e entrar sob a influência dos escritos de Lutero que sentiu ter entrado nas plenas riquezas do Evangelho.

Ele e seu irmão Charles foram enviados a Geórgia pela Sociedade para a Propagação do Evangelho, e ali os dois desenvolveram suas capacidades como predicadores.

Durante sua navegação se encontraram em companhia de vários Irmãos Morávios, membros da associação recentemente renovada pela atividade do conde Zinzendorf. John Wesley observou em seu diário que numa grande tempestade, quando todos os ingleses a bordo perderam inteiramente a compostura, estes alemães o impressionaram com sua calma e total resignação a Deus. Também observou a humildade deles sob tratamentos insultantes.

Foi ao voltar à Inglaterra que entrou naquelas mais profundas experiências e que desenvolveu maravilhosos poderes como predicador popular, que o fizeram um líder nacional. Naquele tempo se associou também com George Whitefield, de fama imperecível por sua maravilhosa eloqüência.

O que executou beira o incrível. Ao entrar em seu ano 85, deu as graças a Deus por ser quase tão vigoroso como sempre. o subscrevia à vontade de Deus, ao fato de que sempre tinha dormido profundamente, a que durante sessenta anos se levantara às 4 da manhã, e que por cinqüenta anos predicou cada manhã às 5. apenas em sua vida sentiu alguma dor, aversão ou ansiedade. Predicava duas vezes ao dia, e amiúde três e quatro vezes. Estimações realizadas calcularam que cada ano viajou mais de sete mil quilômetros, a maioria a cavalo.

Os êxitos logrados pela predicação metodista tiveram de ser alcançados através de uma longa série de anos, e entre as mais azedas perseguições. Em quase todas as partes da Inglaterra se viu enfrentado no princípio com a plebe que o apedrejava, e com tentativas de feri-lo ou matá-lo. Somente em ocasiões houve intervenções da autoridade civil. Os dois Wesley enfrentaram todos estes perigos com um assombroso valor, e com uma serenidade igualmente assombrosa. O mais irritante era o amontoamento de calunias e injúrias de parte dos escritores daquela época. Estes livros estão totalmente esquecidos.

Wesley tinha sido, em sua juventude, um eclesiástico da igreja alta, e sempre esteve profundamente aderido à Comunhão Estabelecida. Quando viu necessário ordenar predicadores, se fez inevitável a separação de seus seguidores da igreja oficial. Logo receberam o nome de "metodistas" devido à peculiar capacidade organizativa de seu líder e aos engenhosos métodos que aplicava.

A comunhão wesleyana, que depois de sua morte cresceu até constituir a grande Igreja Metodista, se caracterizava por uma perfeição organizativa quase militar.

Toda a direção de sua denominação sempre em crescimento descansava sobre o Pai Wesley. A conferencia anual, estabelecida em 1744, adquiriu um poder de governo somente com a morte de Wesley. Charles Wesley fez um serviço incalculável para a sociedade com seus hinos. Introduziram uma nova era na hinologia da Igreja de Inglaterra. John Wesley dividiu seus dias entre seu trabalho de dirigir a igreja, seu estudo (porque era um leitor incansável), viajar e predicar.

Wesley era incansável em seus esforços por disseminar conhecimentos úteis através de sua denominação. Planificou a cultura intelectual de seus predicadores itinerantes e mestres locais, e para escolas de instrução para os futuros mestres da Igreja. Ele mesmo preparou livros para seu uso popular acerca da história universal, história da Igreja, e História natural. Nisto Wesley foi um apóstolo da união da cultura intelectual com a vida cristã. Publicou também os mais amadurecidos de seus sermões e várias obras teológicas. Tudo isto, tanto por sua profundidade e penetração mental, como por sua pureza e precisão de estilo, excitam nossa admiração.

John Wesley era pessoa de estatura ordinária, mas de nobre presença. Seus rasgos eram mais garbosos, incluso em sua velhice. Tinha uma testa larga, nariz aquilino, olhos claros e uma complexão viçosa. Suas maneiras eram corteses, e quando estava em companhia de pessoas cristãs se mostrava relaxado. Os rasgos mais destacados de seu caráter eram seu amor persistente e laborioso pelas almas dos homens, e firmeza, e a tranqüilidade de espírito. Inclusive em controvérsias doutrinárias exibia a maior calma. Era amável e muito generoso. Já se mencionou sua grande laboriosidade. Se calcula que nos últimos cinqüenta e dois anos de sua vida predicou mais de quarenta mil sermões.

Wesley trouxe a pecadores ao arrependimento em três reinos e dois hemisférios. Foi bispo de uma diocese sem comparação com nenhuma na Igreja Oriental ou Ocidental. Que há no âmbito dos esforços cristãos missões estrangeiras, missões interiores, tratados e literatura cristã, predicação de campo, predicação itinerante, estudos bíblicos ou o que for que não tenha sido tentado por John Wesley, que não fosse abrangido por sua poderosa mente mediante a ajuda de seu Divino Condutor?

A ele foi concedido avivar a Igreja da Inglaterra quando tinha perdido de vista a Cristo o Redentor, levando-a a uma renovada vida cristã. Ao predicar a justificação e renovação da alma por médio da fé em Cristo, levantou a muitos das classes mais humildes da nação inglesa desde sua enorme ignorância e maus costumes, transformando-os em cristãos fervorosos que fiéis. Seus incansáveis esforços se fizeram sentir não somente na Inglaterra, senão também na América e na Europa continental. Na só se devem ao Metodismo quase todo o zelo existente na Inglaterra pela verdade e vida cristã, senão que a atividade agitada em outras partes da Europa Protestante podemos remontá-la, indiretamente pelo menos, a Wesley.

Em 2 de março de 1791, com a idade de quase 88 anos, completou a sua carreira terrestre. Durante toda a noite anterior, não cessaram em seus lábios o louvor e a adoração, pronunciando estas palavras: "As nuvens distilam a gordura". Sua alma saltou de alegria com a antecipação das glórias do lar eterno e exclamou: "O melhor de tudo é que Deus está conosco". Então, levantando a mão, como se fosse o sinal da vitória, novamente repetiu: "O melhor de tudo é que Deus está conosco". Às 10 horas da manhã, enquanto os crentes rodeavam o leito, em oração, ele disse: "Adeus!", e assim passou para a presença do Senhor.

Um crente que assistiu à sua morte, assim relatou o ato: "A presença divina pairava sobre todos nós; não existem palavras para descrever o que vimos no seu semblante! Quanto mais o fitávamos, tanto mais víamos parte dos indizíveis céus".

Calcula-se que dez mil pessoas em desfile passaram diante do ataúde para ver o rosto que ainda retinha um sorriso celestial. Por causa das grandes massas que afluíram para honrá-lo, foi necessário enterrá-lo às cinco horas da manhã.

John Wesley nasceu e criou-se em um lar onde não havia abundância de pão. Com a venda dos livros da sua autoria ganhou uma fortuna, com a qual contribuía para a causa de Cristo; ao falecer, deixou no mundo "duas colheres, uma chaleira de prata, um casaco velho" e dezenas de milhares de almas, salvas em épocas de grande decadência espiritual. 


Fonte: O livro dos Mártires e Heróis da Fé.


/Alef da Silva


 


Nenhum comentário:

Postar um comentário