quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Salmo 63 - Adorando no Deserto






Davi estava fugindo de Absalão; certamente, na época em que o escreveu ele era rei (Salmo 63.11), e pressionado por aqueles que buscavam a sua vida. Davi não parou de cantar por estar no deserto, nem se abandonou a uma ociosidade relaxada repetindo salmos feitos para outras ocasiões; ao contrário, ele cuidadosamente fez seu culto adequado às suas circunstâncias, e apresentou ao seu Deus um hino do deserto quando estava no deserto. Não havia deserto em seu coração, embora houvesse deserto à sua volta. Nós também podemos esperar ser lançados em lugares duros antes de partirmos daqui. Em tais tempos, possa o Eterno Consolador permanecer conosco, e fazer com que bendigamos ao Senhor em todos os tempos, fazendo com que até o lugar solitário se torne um templo para Jeová. A palavra que distingue este salmo é "cedo". Quando a cama é a mais macia, somos mais tentados a nos levantar em horários de preguiça; mas quando o conforto se vai e a cama é dura, se nós nos levantamos mais cedo para buscar o Senhor, temos muito pelo que agradecer o deserto.

No Salmo 63, versículos 1-8, o escritor expressa seus santos anseios por Deus e sua confiança nele; e depois nos três versículos restantes, Salmo 63.9-11, ele profetiza a derrota de todos os seus inimigos.

Ó Deus, tu és o meu Deus, de madrugada te buscarei; a minha alma tem sede de ti; a minha carne te deseja muito em uma terra seca e cansada, onde não há água. (Salmos 63:1)

E assim Davi começa sua expressão neste salmo, mesmo em meio a um deserto em que vivia, por causa da fuga contra Absalão, Davi era um homem de profunda intimidade com Deus, e mais do que isso sua alma desejava a cada momento esta com Deus em sua presença.

“Tu és o meu Deus” Davi tinha a convicção que somente Deus poderia o ajudar, as nações se prostravam a outros deuses, mas Davi e assim como nós podemos dizer hoje “Tu és o meu Deus”.

“De madrugada te buscarei” este é um dos salmos em que mais medito, pois nós dos Soldados de Cristo Brasil, procuramos buscar ao Senhor nas madrugadas, e meditando neste salmo posso ver que Davi, também o buscava mas o mais do que isso, Davi não se levantava de madrugada apenas por levantar, mas sim porque “a minha alma tem sede de ti; a minha carne te deseja muito em uma terra seca e cansada, onde não há água”, Davi estava em um deserto, e isto não foi motivo para ele desfalecer, a sua carne tinha sede e mais do que isso  sua alma desejava mais e mais a presença do Senhor Deus.

Para ver a tua força e a tua glória, como te vi no santuário. (Salmos 63:2)

Davi estava longe da arca do Senhor, no santuário do Altíssimo ele estava distante, em meio a um deserto ele se encontrava, mas mesmo assim embora longe do santuário, ele não estava longe da glória que aparecia no santuário.

E assim é conosco, muita das vezes estamos em meio ao deserto, sozinhos, longe de todos, longe da congregação, porém não estamos longe de Deus, assim como Cristo foi conduzido ao deserto pelo Espirito Santo, muita das vezes somos conduzidos ao deserto, para poder dizer como Davi disse; “para ver a tua força e a tua glória”.

Porque a tua benignidade é melhor do que a vida, os meus lábios te louvarão. (Salmos 63:3)

“Sua benignidade é melhor do que a vida” Davi expressa a bondade de Deus, que é melhor que a vida, a sua misericórdia pela a alma que necessita de sua presença, é melhor do que a vida que aparece por um momento e depois é dissipada, este servo de Deus, viveu muitas fugas e diversas vezes esteve em perigo de vida, e em suas experiências a benignidade do Senhor sempre esteve com ele, por isso Davi diz; “os meus lábios te louvarão”, Davi não deixou de adorar ao Senhor no deserto, assim como clamou por mais da sua presença na madrugada, os seus lábios louvarão ao Senhor em meio a sequidão do deserto.

Assim eu te bendirei enquanto viver; em teu nome levantarei as minhas mãos. (Salmos 63:4)

“Assim eu te bendirei” ou seja assim eu te glorificarei enquanto viver, Davi tinha um coração voltado a adorar ao Senhor, não se importava com as circunstancias em que se encontrava, poderia ser no santuário ou no deserto, “em teu nome levantarei as minhas mãos”, e assim o crente cuja esperança esta no Senhor Jesus, consegue suportar o deserto, pois não importa o lugar aonde esteja este sempre irá adorar ao Senhor seu Deus, pois Jesus mesmo disse; crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. (João 4:21)
E mais ainda mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. (João 4:23) 

Davi era um verdadeiro adorador, pois a sua adoração não estava apenas em cânticos, mas sim em seu coração voltado a buscar ao Senhor seu Deus pois quando tu disseste: Buscai o meu rosto; o meu coração disse a ti: O teu rosto, Senhor, buscarei. (Salmos 27:8). Venhamos a aprender com este salmo e que essa inspiração venha esta em nossos corações.

A minha alma se fartará, como de tutano e de gordura; e a minha boca te louvará com alegres lábios,
Quando me lembrar de ti na minha cama, e meditar em ti nas vigílias da noite. (
Salmos 63:5-6)

Assim como uma parte do sacrifício que era oferecido, satisfazia, a alma da Davi se fartava na bondade e graça de Deus e o louvor do Senhor estava continuamente em seus lábios.
“Quando me lembrar de ti na minha cama, e meditar em ti nas vigílias da noite”, Davi louvava ao Senhor, pois em sua memória havia as grandeza de Deus, e muitas vezes nos esquecemos de Deus, de meditar nas vigílias da noite, ou seja contemplar a grandeza de Deus e a sua obra maravilhosa na cruz, que nos resgatou, Davi em sua cama lembrava-se de Deus e assim seja conosco, para louvar e ser gratos a Deus por tudo.

Porque tu tens sido o meu auxílio; então, à sombra das tuas asas me regozijarei. (Salmos 63:7)

Mesmo em meio ao perigo em que se encontrava, Davi sabia em quem acreditava, mesmo no deserto, a sua confiança estava em Deus, sendo perseguido por seu filho e mesmo sendo um rei, sua confiança estava em Deus, pois sabia que “à sombra das tuas asas me regozijarei” pois aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. (Salmos 91:1)

E assim os servos fiéis do Senhor, sabem que mesmo em meio as tribulações no esconderijo do Altíssimo se encontram confiantes e sabendo que Tu tens sido nosso auxílio.

A minha alma te segue de perto; a tua destra me sustenta. (Salmos 63:8) A intimidade que Davi tinha com Deus era grande, e porventura temos seguido a Deus de perto? Temos estado na presença de Deus para que a destra do nosso Deus venha nos sustentar?

Davi sabia que mesmo que a luta fosse grande, e embora se encontrasse no deserto a sua alma seguiria de perto a Deus e na destra do Senhor Jeová seria sustentado.

Mas aqueles que procuram a minha alma para a destruir, irão para as profundezas da terra.
Cairão à espada; serão uma ração para as raposas.
(Salmos 63:9-10)

O servo do Senhor sabia do castigo dos ímpios e de seus inimigos, por isso Davi exaltava o poder de Deus e o seguia de perto, pois a espada seriam consumido os que queriam o seu mal, e nós como servos de Deus, temos que saber que o nosso inimigo foi derrotado por Cristo na cruz, sendo nós vencedores através de Cristo e do seu sangue que nos purificou de todo pecado.

Mas o rei se regozijará em Deus; qualquer que por ele jurar se gloriará; porque se taparão as bocas dos que falam a mentira. (Salmos 63:11)

Mesmo em meio ao deserto, Davi louvava ao Senhor, e mesmo em fuga de seus inimigos, confiava em Deus e o mais importante se alegrava no Senhor o seu Deus, os que falam mentiras não prevalecem, e nem os que juram enganosamente.

Venhamos a confiar no Senhor Jesus em todos os momentos, nos regozijando em sua presença, o buscando nas madrugadas e meditando em sua palavra nas vigílias da noite. Nesses dias o Senhor Jesus quer intimidade com seus servos, e assim como Davi tinha esta intimidade, venhamos buscar ao Senhor e o adorar mesmo em meio ao deserto.

 Deus te abençoe.


/Alef da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário