quarta-feira, 18 de junho de 2014

Salmo 1



Este salmo é considerado o prefácio dos salmos, pois apresenta o conteúdo de todo o livro. É desejo do salmista ensinar-nos o caminho para a bem-aventurança e avisar-nos sobre a destruição certa dos pecadores. Este, portanto, é o assunto do primeiro salmo, que em certos respeitos pode
ser visto como o texto sobre o qual o todo dos salmos compõe um sermão divino.
Este salmo consiste de duas partes: na primeira (do versículo 1 ao versículo 3), Davi expõe em que consiste a felicidade e a bem-aventurança de um homem piedoso, quais são os seus procedimentos e quais as bênçãos que receberá do Senhor. Na segunda parte (do versículo 4 ao final), ele contrasta o estado e o caráter daqueles que não têm Deus, revela o futuro, e descreve, em
linguagem impressionante, seu destino final.
No versículo um deste salmo encontramos um conselho para nós e nossa geração tão esquecido nesses últimos dias, bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. (Salmos 1:1)
Diversas vezes olhamos para esse versículo e apenas o colocamos como as pessoas que estão fora de nosso meio sem conhecer o evangelho, mas diversas vezes esse versículo é para muitos que estão dentro de nossos templos, muitos ímpios, pecadores e diversos escarnecedores.
Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite. (Salmos 1:2) O salmista Davi conhecia ao Senhor e tinha grande intimidade com Deus, e nisso vinha através de meditar na lei do Senhor, na sua palavra de dia e de noite, e diversas vezes o prazer na lei do Senhor é o que tem faltado em nossa vida, podemos ver que “antes” tem seu prazer na lei do Senhor, não é “depois” muitos hoje querem o “depois” preferem escarnecer e ouvir conselhos de ímpios ao invés de ouvir a voz de Deus.
Além de crescermos em conhecimento do nosso salvador e aprender mais de Cristo, não somos levados por doutrinas estranhas mas temos o coração fortificado na graça (Hebreus 13:8), conhecemos a verdade que liberta ( João 8:32) somos consolados em nossas aflições (Salmos 119:50) somos abençoado ( Josué 1:8) e não pecamos contra Deus. (Salmos 119:11)
Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará. (Salmos 1:3)
“A árvore plantada junto aos ribeiros de água”, assim somos nós quando conhecemos o caminho da verdade de Cristo e nos arrependemos de nossos pecados, somos a árvore plantada junto ao ribeiro de água que é Cristo. "Frutos no tempo certo"; virtudes a serem mostradas em certos tempos: paciência na aflição; gratidão na prosperidade; zelo na oportunidade. "Suas folhas não murcham ou caem": a bênção de manter um testemunho que não murcha, além de quando vier lutas e dificuldades permanece fiel em Cristo.
 
Nos versos 4 e 5 nos diz sobre os ímpios ou seja aqueles que procedem no pecado e em sua vida enganosa, muitas das vezes levados são por seus desejos ímpios sendo comparados como a palha espalhada para o vento (4), e além disso o juízo que virá sobre os ímpios pois esses não permanecerão no dia do juízo diante de nosso Deus, o julgamento que está reservado para nós e para os ímpios.
 
Porque já é tempo que comece o julgamento pela casa de Deus; e, se primeiro começa por nós, qual será o fim daqueles que são desobedientes ao evangelho de Deus?
E, se o justo apenas se salva, onde aparecerá o ímpio e o pecador? (
1 Pedro 4:17-18)
 
Porque o Senhor conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá.
(
Salmos 1:6) Mas temos essa certeza Deus conhece o nosso caminho, e tem visto o caminho dos ímpios, se há muito de vós que tenha agido impiamente volte-se para o Salvador, pois ele conhece o caminho de cada um de nós e para o justo existe apenas um caminho o qual é Cristo.
 
Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. (João 14:6)
 
Deus abençoe.
 
/Alef da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário